Para melhor visualização deste site aconselhamos a utilização do navegador Google Chrome
facebook
A História do Nosso Clube

Timelineed

Fundado a 10 de Junho de 1926, o Sport Clube de Mirandela é o clube desportivo mais antigo no distrito de Bragança e o segundo em toda a região de Trás-os-Montes, sendo herdeiro do Mirandela Football Club, que chegou a ter jornal próprio. Note-se que já antes da I Guerra Mundial se jogava futebol em Mirandela, no terreno onde está hoje o Mercado Municipal. No início da década de 1930, o clube ganhou a estrutura actual: emblema desenhado por ordem do médico Dr. Mariz e inspirado no símbolo da Académica de Coimbra, cores preto e branco e campo de jogos no prado de São Sebastião, onde ainda hoje existe o “velhinho” estádio, que tem mais de 80 anos! Durante décadas, o Sport Clube de Mirandela foi exemplo na região, chegando a fazer parte da Associação de Futebol de Vila Real, por não haver outros clubes no distrito de Bragança com quem jogar de forma oficial. Há mais de 50 anos, o recinto de São Sebastião já tinha bancada coberta e o clube uma sede em edifício ainda hoje de linhas arquitectónicas arrojadas, da autoria do Arquitecto Mendo.


Fruto do seu dinamismo e prestígio regional, o Sport Clube de Mirandela convidava grandes estrelas de Benfica, F. C. Porto e Sporting para vestirem a camisola “alvi-negra” em jogos especiais, sobretudo na época da festa em honra de Nossa Senhora do Amparo. Foi assim que até o famoso Eusébio aceitou vestir a camisola do Mirandela, por um dia, claro... No final dos anos de 1970 e início dos anos de 1980, atingiu-se um primeiro ponto elevado da sua História, com a participação na antiga II Divisão (numa altura em que não havia II Liga, pelo que acima só estava mesmo a I Divisão, com os “grandes”...) e a chamada do lateral esquerdo Laureta (jogaria no F. C. Porto) à selecção de “Esperanças”. Mas a sociedade pós 25 de Abril evoluía a grande velocidade e com ela o próprio futebol, que se profissionalizou mesmo nos níveis mais baixos. Era o fim do tempo do «amor à camisola» e do bairrismo exacerbado… Os anos de 1990 marcaram a estagnação do futebol em Mirandela, apesar de breve passagem pela nova II Divisão B (na época especial em que foram promovidos os cinco primeiros de cada série da III Divisão, devido à criação da Divisão de Honra, hoje designada por II Liga). E num tempo em que os campos relvados deixavam de ser um luxo até na III Divisão, o Sport Clube de Mirandela mantinha-se, vergonhosamente, no ”pelado” e descia para o Campeonato Distrital, no qual chega a participar de forma amadora, sem qualquer ambição e recorrendo a vários ex-jogadores, agora veteranos. Alguns adeptos afastam-se e recusam «ver jogar o Mirandela com as aldeias»...

Em 2001/2002, após falhar por pouco o regresso aos Campeonatos Nacionais, o Sport Clube acaba por ser repescado por desistência do campeão distrital e não mais voltará a sofrer a “humilhação” de «jogar com as aldeias». Eis que surge a oportunidade para o “renascimento”, bem aproveitada por Virgílio Gomes, traduzida em duas épocas seguidas tranquilas na III Divisão e na colocação de relva no campo, com o apoio da Câmara Municipal de Mirandela, então liderada pelo Dr. José Silvano, com inauguração a 8 de Dezembro de 2002. Nas épocas de 2004/2005, 2005/2006 e 2006/2007, o Mirandela passa a ser ainda mais ambicioso e a lutar pela subida à II Divisão B, algo que lhe escapa apenas nas últimas jornadas, fazendo assim regressar o velho espírito do Sport Clube de Mirandela dos anos de 1970 e 1980: ambição e forte apoio popular. É de novo, honrando o passado, a equipa de futebol do distrito de Bragança mais dinâmica, competitiva e a única capaz de atrair público em número significativo aos estádios, em casa e mesmo nos jogos fora.

Como corolário natural desta nova estabilidade, o Sport Clube acaba mesmo por ser promovido à II Divisão Nacional, no final de 2007/08, após vencer a Série A da III Divisão e ser, assim, um dos campeões nacionais deste escalão do futebol português, dada a inexistência de uma fase final para decidir um só campeão... Segue-se uma passagem inglória pela II Divisão e o regresso à III Divisão Nacional, na qual, em 2010/11, se repete o triunfo na Série A e, assim, o segundo título partilhado de campeão nacional da III Divisão. Mas, desta vez, há um facto histórico extra: pela primeira vez na História da Taça de Portugal, uma equipa do escalão máximo do futebol português teve de enfrentar o Sport Clube de Mirandela, e em pleno São Sebastião. No dia 17 de Outubro de 2010, o Beira-Mar sofreu para se qualificar: o Mirandela só cedeu no desempate por pontapés da marca de grande penalidade, após 1-1 nos 120 minutos e de ter sido claramente superior, desperdiçando ocasiões para ganhar, como foi salientado pela comunicação social nacional, surpreendida pela actuação “alvi-negra”.

Em 2011/12, o Sport Clube de Mirandela viveu a sua melhor época desportiva de sempre: quando se pensava que lutaria apenas pela manutenção na II Divisão (Zona Norte), à qual estava de regresso dois anos depois, acabou no 4.º lugar. E apenas a dois pontos dos 2.º e 3.º classificados... Mais: o melhor marcador foi o cabo-verdiano Kuca (transferido do Mirandela para o Chaves, a meio da temporada) e o Sport Clube obteve o melhor ataque da II Divisão (Zona Norte), com 55 golos e várias goleadas. Na Taça de Portugal também se fez História (e de que maneira...): nova recepção a um clube da I Liga, mas desta vez obtendo a qualificação: no dia 16 de Outubro de 2011 (3.ª eliminatória), o Sport Clube de Mirandela venceu o Vitória de Setúbal, por 1-0, num golo de Paulo Roberto (5 m), marcado a Ricardo, ex-titular da Selecção Nacional e do Sporting, e que nesse dia fazia o seu primeiro jogo em Portugal, após quatro anos no estrangeiro. A seguir, o Mirandela afastou o Gondomar (II Divisão) e, nos oitavos-de-final, recebeu nova formação da I Liga: a 4 de Dezembro de 2011, empatou com a Oliveirense (1-1), com Ericson a marcar logo aos 10 minutos, surgindo o empate apenas aos 68 e pouco depois da expulsão de um jogador “alvi-negro”. Nos “penalties”, o Mirandela falhou um e o adversário não...

De referir a tradicional qualidade da escola de formação do Mirandela, que tem suscitado a atenção de clubes da I Liga. Entre diversos nomes, merecem destaque o defesa Gilberto Gomes (primeiro mirandelense a jogar na Selecção Nacional), o guarda-redes Eduardo (titular da Selecção Nacional no Mundial-2010, na África do Sul) e o também guardião Paulo Lopes (com várias épocas na I Liga e elemento do plantel do Benfica para 2012/13, curiosamente substituindo Eduardo...).

Nota final para várias modalidades, além do futebol, que nasceram no seio do Sport Clube de Mirandela e aí cresceram até se transformarem em novos clubes, como sucedeu, por exemplo, com o atletismo, ténis de mesa e xadrez...

José Ribeirinha (Sócio n.º 228)